Tribuna do Sudoeste

  Rio Verde, 13 a 19 de abril de 2014  
Diretor-Presidente Sebastião Barbosa da Silva

                                               ANO 8 - Nº 455

tribunadosudoeste.com.br

 

Banner
Banner

Futebol de botão

  • PDF

E5 01 RN

O futebol de mesa, ou de botão, é um jogo para poucos. Não que seja uma modalidade difícil, mas porque atualmente são poucos os adolescentes que se animam a passar uma tarde debruçados sobre uma mesa, envolvidos com os famosos “botões” ou jogadores (como preferir), e tentando marcar um gol com aquela pequena pastilha.
Como tudo relacionado ao bom futebol, a modalidade de mesa é uma invenção brasileira. Contam que o idealizador do jogo, Geraldo Cardoso Décourt, jogava com botões de cueca, passando depois a usar os botões da calça do uniforme escolar.
Dessa brincadeira de criança surgiu o "jogo de botões", que fez tremendo sucesso entre a criançada nas décadas de 70 e 80. Mas o que era febre entre os pequenos acabou esquecido diante da crescente onda de inovações tecnológicas.
Felizmente nem para todos. Murilo Freitas Alves, 15 anos, e Yago Lolin Alves, 16, apesar da pouca idade, mostram que esse não é um esporte para pessoas mais velhas. Os dois integram hoje a Federação Goiana de Futebol de Mesa e atualmente são os únicos jovens que participam dos torneios.
Para estimular a maior participação da criançada, a Agel (Agência Goiana de Esporte e Lazer), em parceria com a Seduc (Secretaria Estadual de Educação) pretende divulgar o esporte nas escolas da rede estadual.

Goiás em destaque
De acordo com o diretor de Esporte e Lazer da Agel, Gustavo Sintra, a proposta é instalar 50 mesas em vários colégios estaduais ainda esse ano para estimular a descoberta de novos talentos. Tanta empolgação se justifica: no ano que vem Goiânia sediará, pela primeira vez, o Torneio Nacional de Futebol de Mesa.
“É a primeira vez que Goiás receberá a competição, que reunirá mais de 400 atletas de todo o país em dois dias de jogos”, informa Sintra. Ele acredita que, além de movimentar o turismo local, o torneio será importante para a valorização de um esporte cada vez mais esquecido. “Estamos na década do esporte, com grandes competições marcadas para acontecer no país. Esse é o momento de incentivar as crianças a competirem de maneira saudável”, pontua.


Como nossos pais

Murilo Freitas Alves e Yago Lolin Alves confirmam que o interesse dos jovens pela prática é mínima em Goiás. “Quando vamos disputar o campeonato nacional em outras cidades, vemos muita gente jovem, mas aqui não”, garantem.
Yago conta que até tentou chamar alguns amigos para compor a equipe. Eles até começaram, mas não ficaram por muito tempo. “Esse é um esporte que, no início, não mexe muito com a gente, mas depois vicia”, explica.
Murilo concorda e acrescenta que a pouca participação dos mais novos vem do desinteresse em conhecer o esporte. “Os jovens de hoje só querem saber de computador e coisas do tipo, mas não sabem que o futebol de mesa é interessante, diferente e muito divertido. Gostaria que eles percebessem isso”, lamenta.
O estudante leva o jogo como uma brincadeira. “É mais um hobby do que uma disputa profissional. Jogo desde os 9 anos e posso dizer que é muito bom”, elogia.
Murilo diz que com as disputas aprende a ter mais paciência, disciplina e até mesmo respeito aos mais velhos, que são maioria nessa modalidade.
Ao demonstrar gosto pelo futebol de botão, Murilo e Yago estão praticando mesmo é a preservação de uma antiga forma de brincar.
Valorizar esse e outros esportes, que fazem parte da cultura infantil brasileira, são formas de perpetuar a cultura, e assim garantir a sobrevivência de uma brincadeira que fez muito sucesso no passado.
O diretor de Esporte e Lazer, Gustavo Sintra, concorda. Para ele, esse é um dos principais objetivos do projeto que se propõe a divulgar a prática esportiva nas escolas da rede estadual. “Queremos envolver esses alunos em uma brincadeira que precisa ser resgatada, de forma a mostrar a eles uma tradição que esteve presente do dia-a-dia dos seus pais.”

Última atualização em Sex, 24 de Fevereiro de 2012 22:52

You are here Escola